segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

On 08:29 by Prisma Jr. Consultoria   No comments
Escrito por Jan Penalva

A atuação de empresas visando o respeito ao meio ambiente se tornou uma das melhores consequências da globalização. A elevada competitividade motivou o aprimoramento técnico das indústrias e, consequentemente, desencadeou uma preocupação cada vez maior em reduzir o impacto ambiental produzido pelos frutos desse desenvolvimento. A partir daí, surge a noção de “indústrias verdes”, com grandes empresas envolvidas na busca de soluções sustentáveis de crescimento.
Durante algum tempo, a geração de poluentes pelas empresas era entendida como uma consequência inevitável dos processos industriais, contribuindo para uma degradação ambiental acentuada. Na tentativa de controlar as ações de descartes dos resíduos das indústrias, empresas como a Cetrel S.A. iniciaram operações no sentido de resgatar uma preocupação maior com as ações sobre o meio ambiente. Desde 1978, a Cetrel opera com serviços de engenharia ambiental, responsável pelo gerenciamento ambiental do  Polo Industrial de Camaçari - PIC.
De acordo com o diretor técnico, Demosthenes Carvalho, a Cetrel opera Sistemas de Controle Ambiental como o Sistema de Coleta, Transporte, Tratamento e Disposição Final de Efluentes Líquidos, Aterros Industriais e dois Incineradores de resíduos perigosos, além dos Serviços de Monitoramento dos Recursos Hídricos Superficiais e Subterrâneos e Monitoramento do Ar.
“Como base para todo esse trabalho, a empresa conta com um laboratório qualificado, credenciado pelo INMETRO na ISO 17025 (estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade em laboratórios de ensaio e calibração). Possui certificação pela BVQI (Bureau Veritas Quality International), órgão responsável por emitir diversas certificações nas ISO 9000 (grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral) e 14000 (estabelecem diretrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas), OHSAS 18000 (guia para implementação de sistemas de gestão de segurança e higiene ocupacional) e SA 8000 (norma internacional de avaliação da responsabilidade social para empresas fornecedoras e vendedoras)”, enfatiza.
Com tecnologias voltadas para ações pró-meio ambiente, a Cetrel dispõe de plantas piloto para o teste de cada inovação. O diretor explica que, dentre as alternativas já testadas, há o sistema de nome “Variação dos Lodos Ativados”, que utiliza micro-organismos no tratamento dos efluentes. Essas pequenas espécies fazem a digestão aeróbia (em presença de oxigênio) de toda a matéria orgânica do efluente a ser tratado.
Outras duas tecnologias que também lidam com a digestão anaeróbia são UASB (Reator de Fluxo Ascendente) e IC (Circulação Interna). A diferença essencial entre elas e a de Lodos Ativados está na significativa redução no consumo de energia elétrica do processo. Outro investimento da Cetrel que merece destaque é o uso de tecnologia própria para o controle de aeração dos reatores. Através desse processo, o gás oxigênio que os micro-organismos necessitam é inserido nos reatores de tratamento.
On 08:17 by Prisma Jr. Consultoria   No comments

Descoberta da Petrobras torna região ainda mais vulnerável à cobiça internacional.

A Petrobras anunciou mais uma descoberta de petróleo e gás fora do eixo Rio de Janeiro-Espírito Santo. Dessa vez, a petrolífera confirmou a existência de reservas na Amazônia, região cobiçada internacionalmente não só pelas riquezas ambientais como minerais. O comunicado da estatal traz de volta a polêmica da internacionalização da região que cada vez mais atrai os olhos do mundo inteiro. Com ela, as preocupações com segurança e soberania.
Segundo o engenheiro Fernando Siqueira, presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras  (Aepet), a qualidade do óleo encontrado é excelente. "Outro fato bastante interessante é que a reserva fica a 30 Km de Urucu, outra unidade de produção da companhia, o que vai facilitar muito a produção em termos de logística",  comemorou. Mas ele acrescenta que a descoberta reacende preocupação com a cobiça internacional.

Petróleo torna ainda mais cobiçada a região da Amazônia, rica em biomassa, que vai substituir o óleo no futuro

"A grande cobiça em relação à Amazônia está assentada sobre três coisas: biodiversidade, jazidas de minérios estratégicos e biomassa", avalia. A Amazônia é o local que mais tem terra, água e sol, componentes para gerar biomassa que substituirá o petróleo no futuro. O especialista explica que o mundo tem interesse na substituição do petróleo por outros combustíveis renováveis.
"Como o petróleo está acabando, porque nós estamos no limiar da produção, há potências sem reservas petrolíferas, em situação de insegurança energética dramática. O pré-sal não resolve o problema delas, porque representa até 9% das reservas mundiais. Eles querem ainda o substituto: a biomassa", alerta. De acordo com ele, a cobiça tende a crescer a partir do anúncio desta descoberta.
Outro interesse na internacionalização da Amazônia vem das reservas de nióbio. A região é a maior fonte do planeta deste minério que é um importante componente da indústria espacial. "Coincidentemente, as reservas de nióbio ficam exatamente debaixo das reservas indígenas, que organizações não governamentais querem transformar em nações independentes. Independentes entre aspas. Tanto como as colônias e, certamente, submetidas ao domínio internacional" avalia o presidente da Aepet.

Tome Nota       

3.485m: Dimensão do poço Igarapé, como indicam os primeiros  resultados do teste de longa duração longa duração, de acordo com dados preliminares
2.500: Quantidade de barris de óleo por dia que poderão ser retirados na produção comercial do poço Para a região e localização estratégia é bom resultado
46º: Grau registrado na nova reserva, que é considerada  uma das mais elevadas do País, superando a do pré-sal Para ser considerado leve, o óleo deve ultrapassar 31.1°

Qualidade acima do pré-sal

A Petrobras anunciou que os primeiros dados do Teste de Longa Duração iniciado em setembro no poço Igarapé Chibata confirmam a descoberta de nova acumulação de óleo leve (46° API) e gás natural no Município de Tefé (AM), a 630 km de Manaus e a 32 km da Província Petrolífera de Urucu. A Petrobras detém 100% de participação dos direitos de exploração e produção do poço, que fica na Bacia do Rio Solimões.
Para se ter idéia da qualidade do petróleo encontrado no Amazonas, o Grau API é uma escala hidrométrica do American Petroleum Institute (API). Pela  metodologia utilizada para medir a densidade, o petróleo leve é o de maior qualidade. Para ser considerado leve, essa padronização determina que o grau seja superior a 31,1.
 A elevada pontuação na escala utilizada internacionalmente demonstra que o óleo de Igarapé Chibata é superior ao de Tupi, no pré-sal, que tem 28º API, e ao dos golfos Pérsico e do México, além do Mar do Norte, que registram entre 38 ° e 40 °. O poço tem capacidade de produzir 2.500 barris de óleo diários, o que é considerado excelente nesse tipo de bacia no Brasil — país que hoje concentra sua produção em alto mar.

FONTE: O Dia (RJ)

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

On 10:43 by Prisma Jr. Consultoria   2 comments

Por: Jan Penalva   

Em 2008, com os primeiros indícios de petróleo na Bahia, começou-se a especular qual seria o real impacto desta descoberta para a economia baiana. Contudo, o primeiro poço perfurado pela Petrobras na Bacia do Jequitinhonha, no litoral sul baiano, não teve os resultados esperados pela estatal no pós-sal. Além disso, problemas mecânicos na sonda impossibilitaram que a exploração continuasse até o pré-sal.
“Aqui na Bahia estamos perfurando na Bacia do Jequitinhonha. Estamos a 2.700 metros, mas o nosso objetivo é de 4.400. Não é ainda após a camada de sal. A decisão se vamos ou não seguir aprofundando o poço dependerá dos resultados da perfuração”, afirma o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli. Segundo ele, um dos efeitos imediatos do pré-sal para a economia baiana virá, como em outros estados, em uma cadeia produtiva de suprimentos para a exploração petrolífera. No caso da Bahia, especificamente, o presidente da estatal aposta em uma retomada da indústria naval: “Haverá uma demanda muito grande para os estaleiros”, completa.
Já para o professor da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Francisco Teixeira, embora exista a possibilidade de confirmação da presença de petróleo em águas profundas do litoral baiano, o futuro da economia do estado ainda é difícil de ser previsto nesta situação. “A Petrobras está envolvida em um monumental programa de investimentos para produzir no pré-sal. Por isso, acredito que as potenciais reservas nordestinas deverão esperar até haver disponibilidade de recursos para mais investimentos”, explica Teixeira.
O professor recorda que é preciso tomar cuidado com a possível euforia do petróleo na região do sul do estado, como a que aconteceu no auge da lavoura do cacau, no início do século passado. “A dinamização da economia local depende de investimentos em infraestrutura, logística e na cadeia de suprimentos de bens e serviços para a indústria de petróleo”, lembra.
Nos próximos quatro anos a Petrobras vai perfurar pelo menos 21 poços no mar da Bahia em busca de novas reservas de petróleo e gás. Em alguns deles, a busca será na camada do pré-sal, a alguns milhares de metros de profundidade. Para tentar concretizar o que hoje se traduz apenas em esperança, a estatal vai investir R$ 3,2 bilhões no estado somente em 2010, e apenas na área de exploração e produção.

A matéria foi extraída da edição online da Revista do Fornecedor.
On 10:41 by Prisma Jr. Consultoria   No comments
Na sexta-feira, 26 de Novembro de 2010, ocorreram as eleições para o Conselho Administrativo, os cargos da Diretoria Executiva e o cargo de Gerência de Qualidade da Prisma Jr. Consultoria. Depois de semanas de preparação das propostas, os candidatos puderam enfim apresentá-las à toda a empresa, esclarecendo todos os pontos levantados em suas candidaturas.
Da esquerda para a direita:

·         Geraldo Dionisio: Diretor de Marketing
·         Vinícius Léda: Diretor Presidente
·         Mirella Botelho: Gerente de Qualidade
·         Safira Barros: Diretora de ADM-FIN
·         Silvar Ribeiro: Diretor de Desenvolvimento Pessoal
·         Leandro Lopes: Diretor de Projetos
Parabéns a todos os eleitos, e que 2011 seja mais um ano de sucesso para a Prisma Jr. Consultoria.
Na foto abaixo, a equipe que irá trabalhar no próximo ano para que isto ocorra, e os dois membros que já fizeram bastante pela Prisma e agora estão tornando-se ex-membros: Daniel Diniz e Francisco Matos. A eles e a Juliana Freitas, o nosso agradecimento por anos de dedicação.